O advogado de Bruno e o crack


Não tem graça alguma. O advogado do goleiro Bruno é viciado em craque crack. É o que ele próprio confessou numa entrevista dada a Leslie Leitão, do jornal O DIA, publicada em 14/nov.

Para além do drama humano da drogadição, ficam algumas perguntas. Esta confissão trará prejuízo para a defesa do atleta, que é acusado de homicídio qualificado, crime que vai a júri popular? O que pensa a OAB/MG? O que diz o IDDD?

Anúncios

3 comentários

  1. Há notícias de que o referido procurador dormiu durante uma das audiências. Inclusive foi advertido pela juíza que presidia o ato processual no sentido de que não poderia dormir em audiência.

    Se isso for verdade, o réu deve ser declarado indefeso, pois o advogado provavelmente dormiu em razão dos inegáveis efeitos que a droga causa no cérebro humano. Matas os neurônios e deixa o raciocínio mais lento.

    Ademais, segundo o art. 4º, II, do CC/2002, o vício em substâncias estupefacientes pode ocasionar a decretação da incapacidade relativa para a prática dos atos da vida civil, o que inclui a impossibilidade de outorga de procuração ao advogado para atuar em Juízo (já que a relação causídico/cliente encerra um contrato de mandato).

    Curtir

    • Ponto interessante, Renata. Amanhã, se Bruno for condenado, outro defensor poderá alegar, com base nesses fatos, que o réu ficou indefeso e anular o processo. Até quanto a isto o MP/MG tem de ficar atento.

      Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s