Dedo na ferida


O jornal A Tarde deste domingo (página B10) publicou uma entrevista com um advogado e professor de direito processual penal da Universidade Católica do Salvador. O tema foi o júri do caso Isabela Nardoni.

Na opinião do advogado, “o julgamento dos Nardoni não será justo“, porque já foram condenados pela imprensa. Até aí, o professor foi bem. De fato, o julgamento do casal Nardoni vem sendo feito há muito tempo pela mídia, o que poderá influenciar os jurados.

Porém, o entrevistado desandou na avaliação final sobre o caso. Perguntado pelo repórter Davi Lemos se havia identificado falhas na defesa dos réus, o professor respondeu:

“Da defesa, não. A acusação, porém, sempre esteve ‘caolha’ para outras possibilidades de solução do crime. Não foram traçadas outras linhas de investigação. Acreditou-se na primeira versão policial e deu-se a causa por encerrada”.

Evidentemente, a expressão “acusação caolha” faz referência ao promotor Cembranelli, que apresenta queda na pálpebra do olho esquerdo (ptose palpebral). Trata-se de uma condição médica congênita ou adquirida, que nada tem que ver com a atuação profissional do promotor. Quem tem deformidades físicas ou estéticas sabe como é doloroso sofrer críticas “inspiradas” em suas deficiências orgânicas. O entrevistado, que foi meu colega de mestrado e é um advogado respeitado em Salvador, poderia ter se poupado dessa observação. Esse argumento ad hominem não lhe caiu bem.

Anúncios

5 comentários

  1. Com a devida venia não entendi que houve ofensa do supracitado professor ao representante do ministério público.
    O que ele quis dizer foi que a denúncia olhou com apenas um olho, deixando de dar uma interpretação mais ampla que o caso requeria.
    O fato de o promotor ter queda na pálpebra do olho esquerdo não vem ao caso, pois é sabido que a denúncia não é do promotor, e sim do Ministério Público.

    Curtir

  2. Trata-se de uma colocação lamentável do professor. […] não se deve fazer um comentário desses com pessoa alguma. Ele feriu a ética que deveria sempre estar presente em todos os segmentos e, particularmente, em se tratando de um colega de profissão, porque antes do Dr. Cembranelli ser promotor, fez o mesmo curso de bacharelado em Direito como o professor, que foi infeliz em seu comentário, como eu que sou advogada em Recife-PE […].

    Curtir

  3. Lamentável tal referência, realmente. Certas pessoas, em momentos de desespero, lançam mão de preconceituosos argumentos na intenção de que estes substituam aquilo que não conseguem apresentar como razões convincentes. É a tática da desqualificação. Quem não se lembra da insinuação de Marta Suplicy em relação a Kassab? […]

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s